Reitor da FAESA é eleito o Líder Empresarial do ano

Pela oitava vez professor Alexandre Theodoro conquistou a liderança da categoria Líder em Ensino Superior, em prêmio promovido pela TV Vitória/Record


Publicado em: 3 de agosto de 2017

O Reitor da FAESA Centro Universitário, professor Alexandre Nunes Theodoro, foi eleito pela oitava vez Líder Empresarial do ano, na categoria Ensino Superior. A escolha foi feita durante a votação do Prêmio Líder Empresarial 2017.

Realizado pela TV Vitória/Record, a premiação reconhece talentos dos setores empresariais mais representativos da cadeia de produtiva capixaba e homenageia desde o “Líder do Ano” até os destaques específicos de cada segmento econômico.

A votação para escolher os destaques do ano foi realizada pelo jornal online Folha Vitória, em votação aberta para o público, e ficou disponível por um mês. Ao todo, 40 categorias disputaram o troféu.

Professor Alexandre comemorou o resultado, que é um reconhecimento do seu trabalho. Ele conquistou a liderança com 33.5% dos votos.

“Eu sempre digo que esse prêmio não é meu, ele é de toda a equipe que faz a FAESA todos os dias”, comemorou Theodoro.

A Revista Líder Empresarial fez uma entrevista com o professor Alexandre que falou, entre outras coisas, da sua trajetória profissional e do seu estilo de liderar. Veja as respostas dele e conheça um pouco mais o Reitor.

ENTREVISTA

Revista Líder Empresarial: Para você o que é ser líder e o que é preciso para se tornar um?

Alexandre Theodoro: Para liderar é preciso ter conhecimento, disciplina, foco, capacidade para inspirar e amor pelo que faz.

RLE: Qual é o papel do líder para os liderados e para o bom andamento da organização?

AL: É necessário conhecer sua equipe, reconhecer seu valor e inspirá-los diariamente.

RLE: Na sua opinião, o que torna um líder melhor? Como evoluir na liderança?

AL: Uma sugestão é conviver e ler sobre exemplos de bons líderes. Me chama atenção o conhecimento que eles têm sobre o que fazem, a forma como enfrentam as dificuldades e equilibram a vida profissional e pessoal.

RLE: O que te transformou em um líder reconhecido não só pelos liderados, mas pela sociedade em geral?

AL: Amo o que faço. Deus tem me abençoado, me concedido saúde e sabedoria para continuar um projeto iniciado há 45 anos pelos meus pais, de formar pessoas e realizar sonhos.

Com uma equipe unida de Professores e Administrativos em torno de objetivos claros, independente dos desafios estabelecidos, temos recebido o reconhecimento e a aprovação da sociedade capixaba.

RLE: Qual é o seu estilo de liderança e por que o adota?

AL: Busco constantemente ser um líder inspirador, transparente, acessível e comprometido com minha equipe e com os resultados que devemos alcançar juntos.

RLE: O que te move, o que te inspira e o que te indigna?

AL: A educação é um desafio permanente e isso me move. Minha maior inspiração ainda é meu pai, um homem sonhador, visionário, idealizador e, acima de tudo, com alta capacidade de realização. Ensinou-me a ter fé e por meio desta desenvolver a paciência, perseverança e ter a coragem necessária para enfrentar dificuldades e realizar grandes sonhos.

O que me deixa indignado é a nossa falta de atitude enquanto sociedade de enfrentar nossos desafios.

RLE: Qual é o papel do líder nestes tempos de crise de representatividade que temos vivido?

AL: Eu gosto da definição do Vicente Falcone sobre liderança que diz “a liderança é o que há de mais importante em uma organização, sem ela nada acontece”.

Mais do que a crise macroeconômica, o que nos afeta é a crise de confiança. Para enfrentá-la é necessário provocar o genuíno comprometimento da equipe, algo que se conquista em pequenos gestos de otimismo e que transmitem a certeza de que “crises passam” e todos sobreviverão.

 

Texto: Nathália Esteves

Fotos: site Folha Vitória