Conheça nossos cursos
Conheça nossos cursos

Artigo sobre Impacto Humano na Terra é destaque em A Gazeta

FAESA

Acontece na FAESA

Artigo sobre Impacto Humano na Terra é destaque em A Gazeta

Por Equipe FAESA em May 28, 2021 9:52:08 AM | 2 min de leitura

Nossos professores do curso de Ciências Biológicas, Walter Có e Marcos Thiago G. Gomes, tratam neste artigo sobre o impacto do crescimento populacional para a biodiversidade na Terra.

Confira!

Impacto humano na Terra equivale a meteoro que extinguiu dinossauros

Consumo e descarte elevados estão levando a um colapso ambiental e a uma redução acelerada da biodiversidade, por esgotar recursos e gerar uma infinidade de agentes poluentes

Em outubro de 2011, a Organização das Nações Unidas anunciava que a população humana chegava a sete bilhões de habitantes. Esse número torna-se ainda mais impactante quando percebemos que, para cada ser humano ter um par de sapatos, é necessário produzir quatorze bilhões de sapatos. E, como sabemos, poucos se contentam em possuir apenas um par de sapatos, não é mesmo? Essa insatisfação em possuir pouco nos leva a outro componente importante do impacto humano sobre o planeta: o consumo.

Queremos possuir uma infinidade de itens que são criados a cada dia, estimulando cada vez mais o ciclo do consumo, da economia e também do descarte. Infelizmente vivemos em uma sociedade em que a maioria das pessoas avalia sua realização pessoal, seu status e sua importância pela quantidade do que consome e acumula. Esse estilo de vida está levando a um colapso ambiental e a uma redução acelerada da biodiversidade, por esgotar os ambientes naturais para a obtenção de matérias-primas e também por gerar uma infinidade de agentes poluentes, seja nas etapas de produção ou no descarte dos produtos e suas embalagens.

Uma pesquisa divulgada no Fórum Econômico Mundial de Davos, em 2016, alerta que até o ano de 2050, haverá mais plástico do que peixes nos oceanos. Nos ecossistemas terrestres, a realidade não é muito diferente. Nos últimos três anos, o Brasil bateu recordes de áreas desmatadas em diferentes biomas, além de lançar sobre esses ambientes toneladas de agrotóxicos. Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, desde o ano 2000, foram 4.051 novos agrotóxicos liberados no país.

Em 2015, um estudo publicado na revista Science revelou que estamos extinguindo espécies a uma velocidade comparável aos últimos eventos de extinção em massa que a Terra sofreu. O último desses eventos foi provocado pelo famoso meteoro que há 65 milhões de anos levou à extinção dos dinossauros e de setenta por cento do restante da biodiversidade terrestre. Atualmente, o impacto humano na Terra está sendo equivalente ao desse meteoro, mas com um detalhe irônico: a humanidade está na posição do meteoro, por causar a extinção de tantas espécies, mas está também na posição dos dinossauros, por ser uma das espécies que estará ameaçada de extinção, caso o ambiente se torne inóspito e hostil.

O que está em jogo agora é a nossa existência, e também a existência de milhões de outras espécies. Já descobrimos que não sobrevivemos sozinhos, pois o ar que respiramos é produzido por seres vivos, o alimento que comemos, a chuva que abastece nossos reservatórios e tantos outros aspectos vitais para nossa existência, estão associados a uma complexa cadeia de vida, que mantém os ciclos da natureza fluindo. Um meteoro não consegue mudar de direção, ele apenas segue o curso dos acontecimentos. Mas, com a humanidade é diferente.

Podemos mudar de curso e nos tornarmos os maiores aliados e promotores da biodiversidade. Podemos gerar vida em abundância, reconstruir ecossistemas e contribuir para que a Terra seja um planeta agradável e maravilhoso para se viver. 

Nossa existência a longo prazo e também a de milhões de outras espécies dependem das decisões tanto pessoais quanto coletivas da humanidade. Cabe ao poder público, mas também a cada um de nós, a mudança de um olhar desenvolvimentista a todo custo para uma visão mais inteligente, na qual a natureza não se resuma apenas aos recursos naturais, mas sim a chave para o desenvolvimento e bem-estar de todos.

Walter Có e Marcos Thiago G. Gomes, professores do curso de Ciências Biológicas da FAESA.

Clique e confira a publicação do artigo no site de A Gazeta.