Hack FAESA 5.0 promove imersão de estudantes em maratona de programação

Hackathon universitário acontece neste fim de semana e premiará os três melhores projetos.


Publicado em: 4 de maio de 2018

Computadores a postos e mentes imersas no desenvolvimento de um projeto por horas ou dias seguidos, quase sem interrupção. É basicamente esse o conceito de Hackathon, a atividade que faz parte das empresas mais inovadoras do mundo e se populariza pelo Brasil, consiste em uma maratona de programação. Nos dias 05 e 06 de maio, a FAESA realiza o Hack FAESA 5.0, a 5ª edição do Hackathon universitário, que reúne programadores, designers, profissionais ligados ao desenvolvimento de software e tem como objetivo impulsionar o surgimento de ideias inovadoras.

O Hack FAESA 5.0 acontecerá no campus Vitória e é aberto para estudantes de todas as áreas, além de outras faculdades. Os participantes irão se dividir em grupos de três a cinco pessoas e terão cinco opções de temas, que fazem parte da rotina diária da sociedade ou do mundo corporativo, para escolher e nortear o trabalho. No primeiro dia, das 08h às 21h, eles focarão em desenvolver ao máximo o projeto, que na maioria dos casos é um software. No segundo e último dia, das 08h às 12h, será a hora de apresentar a ideia e o que foi desenvolvido.

“Um dos pilares da formação acadêmica da FAESA é o empreendedorismo e a empregabilidade. O Hack FAESA é uma atividade que está ligada a esse valor, pois estimula o estudante a desenvolver um projeto que pode ser tornar o seu negócio no futuro. Além disso, o hackathon tem sido uma ferramenta muito utilizada em processos seletivos, participar de um hackathon universitário ajuda a prepara-los para futuros desafios”, disse o professor da Unidade de Engenharia e Computação da FAESA, Rober Marcone Rosi.

Para participar, é preciso realizar inscrição até o dia 04 de maio pelo site www.hackfaesa.com.br. A estimativa é de que cerca de 50 estudantes participem do Hack FAESA 5.0. Os três primeiros colocados receberão prêmios em dinheiro. Celso Palmeira, formado em Sistema de Informação pela faculdade, foi um dos idealizadores do evento quando ainda era aluno da FAESA, ao lado da então estudante de Ciência da Computação, Karine Liuti. Para ele, o evento traz uma oportunidade de aprendizado e de visibilidade dos estudantes para o mercado.

“O Hack FAESA traz para os alunos uma experiência do mercado de trabalho para dentro da academia. Eles recebem um problema em estado bruto e têm que lapidá-lo, transformá-lo em uma ideia, desenvolver um protótipo, apresentar para uma banca. Igual ao nosso dia a dia dentro do mercado. Por conta do evento, eu tive a oportunidade de conhecer muitas pessoas interessantes, que participam da tomada de decisão nas maiores empresas de TI do ES. O Hack FAESA já trouxe para os participantes várias oportunidades, com vários alunos sendo contratados pelas empresas patrocinadoras”, conta.

Representantes das empresas Inflor e Autoglass vão pertencer a banca avaliadora para ficar de olho nos talentos que podem ser descobertos na maratona.

Confira o vídeo com Celso Palmeira e Karine Liuti:

 

Texto: Aline Mantovanelli /Alfa Comunicação