Engenharia Química

Metodologia inovadora, incentivo à vivência profissional e ótima infraestrutura têm gerado grandes resultados para nossos alunos.

ENGENHARIA QUÍMICA

Mais de 80% de nossos alunos de engenharia conseguem colocação no mercado. Esse resultado é fruto do nosso compromisso em oferecer o melhor, como excelência acadêmica, laboratórios bem equipados e participação em projetos de extensão e pesquisa desde o primeiro período.

Duração: 5 anos
Modalidade: Presencial
Turno: Matutino e Noturno
Formação: Bacharelado
Regime: Semestral
Mensalidade 2017:
VER MENSALIDADE R$ 1355,00
Horário das aulas:

Matutino: 7 às 12h, Noturno: 18h45min às 22h
*Podendo sofrer alterações conforme estrutura curricular.

Autorizado pela Portaria MEC Nº. 17 de 23 de janeiro de 2013.

engenharia


  • O curso
  • Professores
  • Disciplinas
  • Inovação Pedagógica
  • Objetivos do curso

O curso

Com atuação abrangente dentro das indústrias químicas, o profissional formado nesta área da Engenharia lida basicamente com o desenvolvimento de produtos e processos químicos em escala industrial, a definição das etapas de produção, o dimensionamento e projeto de equipamentos e a escolha das tecnologias.

O profissional tem espaço em empresas públicas ou privadas e é necessário em setores tão diversos como os de celulose e papel, fármacos, petroquímica, plásticos e borrachas, biotecnologia, tintas e pigmentos, alimentos, fertilizantes, e também em áreas como a de tratamento e reciclagem de resíduos urbanos e industriais, entre outras.

COORDENADOR(A)

Prof. José Tasso Aires de Alencar Filho

Mestre em Engenharia

Fale com a coordenação: jose.alencar@faesa.br


  • Área de Atuação
  • Perfil Profissional
  • MERCADO DE TRABALHO

O Engenheiro Químico é habilitado para trabalhar no setor industrial, com alimentos, cosméticos, biotecnologia, fertilizantes, fármacos, cimento, papel e celulose; nos setores nuclear, automobilístico, de polímeros, de meio ambiente; nas áreas administrativa e comercial como engenheiro de produto, de processo, de pesquisa e de desenvolvimento; em instituições de pesquisa, em consultorias e no magistério superior.

O Engenheiro Químico a ser formado pelas Faculdades Integradas Espírito-Santenses deverá adquirir e atuar profissionalmente com as seguintes competências:

 

  •    dimensionar e integrar recursos físicos, humanos e financeiros a fim de produzir, com eficiência e ao menor custo, considerando a possibilidade de melhorias contínuas;
  •    aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia;
  •    prever e analisar demandas, selecionar conhecimento científico e tecnológico, projetando soluções de engenharia ou melhorando suas características e funcionalidade;
  •    incorporar conceitos e técnicas da qualidade em todo o sistema, tanto nos seus aspectos tecnológicos quanto organizacionais, aprimorando processos, e produzindo normas e procedimentos de controle e auditoria;
  •    acompanhar os avanços tecnológicos, organizando-os e colocando-os a serviço da demanda das empresas e da sociedade;
  •    compreender a inter-relação dos sistemas e processos com o meio ambiente, tanto no que se refere à utilização de recursos escassos, procurando sempre utilizar as filosofias e técnicas da Produção Mais Limpa, quanto à disposição final de resíduos e rejeitos, atentando para a exigência de sustentabilidade;
  •    utilizar indicadores de desempenho, sistemas de custeio, bem como avaliar a viabilidade econômica e financeira de projetos, e
  •    gerenciar e otimizar o fluxo de informação nas empresas utilizando tecnologias adequadas.

O leque de atuação do profissional é amplo e o coloca entre os mais bem remunerados dos engenheiros. Além do setor de petróleo, algumas frentes de trabalho tradicionais se mantêm estáveis, como a indústria de polímeros e de tintas e vernizes. Mas a grande novidade para o engenheiro químico é o segmento farmacêutico e de cosméticos, nos quais o profissional é chamado para pesquisar e desenvolver novos produtos. Na área ambiental, começam a surgir vagas no tratamento de resíduos, no reaproveitamento de matérias-primas e na geração de energia de fontes renováveis. A crise hídrica em vários estados do brasileiros amentou a demanda pelo engenheiro químico, requisitado para promover o aumento da eficiência das indústrias e da gestão da água. Os polos industriais do país concentram os principais empregadores. O crescimento da produção mineral e a instalação de refinarias como no Nordeste e Sudeste, abrem boas perspectivas profissionais.

Aline dos Santos Silva Mestre
Aline Gonçalves Louzada Mestre
Aloísio Fritzen Mestre
Estevão Frigini Mai Doutor
Gilberto Maia de Brito Mestre
Kelly Fabiane Santos Ricardo Doutor
Leonardo Santos Gorza Mestre
Lucia Helena Sagrillo Pimassoni Mestre
Lúcio Passos Patrocínio Mestre
Maria Alice Moreno Marques Mestre
Max Mauro Coser Mestre
Merly Yalud Carrasco Delgado Mestre
Michela Sagrillo Pegoretti Fadini Mestre
Michella Sagrillo Pegoretti Mestre
Milton Carvalho Bernardo Mestre
Nelson Rubens Nascimento Del'Antonio Mestre
Newton Eloi Oliveira de Azevedo Mestre
Olga Helena Pauletti Tovar Mestre
Osmar Soares Barros Mestre
Samir Aride Mestre
Tarcisio Batista Bobbio Mestre
Warley Teixeira Guimarães Mestre

1º Período

  • Cálculo I
  • Ciências do Ambiente
  • Desenho Técnico
  • Introdução à Engenharia
  • Organização do Trabalho Científico
  • Química Geral E Experimental

2º Período

  • Álgebra Linear e Geometria Analítica
  • Cálculo II
  • Física Experimental I
  • Física I
  • Química Inorgânica
  • Sociologia

3º Período

  • Cálculo III
  • Física Experimental II
  • Física II
  • Mineralogia E Tratamento Dos Minérios
  • Química Analítica I
  • Química Orgânica I

4º Período

  • Equações Diferenciais
  • Física Experimental III
  • Física III
  • Química Analítica II
  • Química Orgânica II
  • Técnicas de Programação

5º Período

  • Cálculo Numérico
  • Circuitos e Instrumentação
  • Fenômenos de Transporte
  • Físico-química
  • Mecânica dos Sólidos
  • Probabilidade e Estatística

6º Período

  • Análise Instrumental
  • Economia
  • Instrumentação e Controle De Processos
  • Operações Unitárias I
  • Transferência de Calor e Massa

7º Período

  • Balanço de Calor e Massa
  • Ciência e Tecnologia dos Materiais
  • Cinética e Calculo de Reatores
  • Economia da Engenharia
  • Operações Unitárias II
  • Termodinâmica E Máquinas Térmicas

8º Período

  • Águas Residuárias I
  • Planejamento e Avaliação de Projetos
  • Processos Unitários
  • Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso
  • Projetos de Plantas Químicas
  • Termodinâmica Aplicada

9º Período

  • Engenharia da Qualidade
  • Gestão Estratégica e Empreendedorismo
  • Optativa I
  • Optativa II
  • Tecnologia Orgânica

10º Período

  • Direito Empresarial
  • Energia e Meio Ambiente
  • Ética e Orientação Profissional
  • Gestão de Riscos e Segurança do Trabalho
  • Optativa III
  • Trabalho de Conclusão de Curso I
  • Atividades Complementares
  • Estágio Supervisionado

Optativas

  • Indústria de Celulose e Papel
  • Indústrias de Processos Cerâmicos
  • Materiais Poliméricos
  • Petróleo, Gás e Meio Ambiente
  • Processamento de Madeiras
  • Processamento de Petróleo
  • Processos de Indústrias de Fermentação
  • Tópicos Especiais em Engenharia Química
  • Águas Residuárias II
  • Avaliação de Impacto Ambiental
  • Estatística Experimental (Amb)
  • Planejamento e Gestão Ambiental
  • Poluição Ambiental
  • Resíduos Sólidos
  • Sistema de Abastecimento De Água
  • Libras

A inovação pode ser entendida como um conjunto de intervenções, decisões e processos que, com certo grau de intencionalidade e sistematização, alteram atitudes, culturas, ideias, conteúdos, modelos e práticas.

Aplicando-se este conceito à educação, é pertinente considerar que as inovações pedagógicas buscam novas formas para promoverem a elaboração e a administração do currículo, das relações em sala de aula e do espaço escolar, de forma diferenciada, por meio de uma perspectiva renovadora de programas e projetos, materiais curriculares, estratégias de ensino e aprendizagem, modelos didáticos, visando à construção dos conhecimentos socialmente relevantes, que permitam o desenvolvimento de uma nova formação mais compreensiva e integral dos alunos.

SAIBA MAIS

Os objetivos do curso de Engenharia Química são:

 

  •    formar Engenheiros Químicos com competências para lidar com os novos desafios de um mundo globalizado, com os avanços da ciência e da tecnologia, contribuindo, de forma ativa e efetiva, para o desenvolvimento do país;
  •    desenvolver conhecimentos específicos relacionados com a Engenharia Química, no sentido da construção permanente e da inovação coerentes com o momento vivido;
  •    desenvolver competências básicas para análise, interpretação e intervenção na sociedade, considerando os aspectos da realidade e as condições atuais e emergentes;
  •    desenvolver capacidades para a adequada convivência sócio-profissional, exercendo papéis diferenciados, dentre outros os de liderança, negociação, prospecção de forma compatível com o contexto no qual está inserido;
  •    proporcionar o aprimoramento técnico da mão-de-obra existente no Estado, visando prepará-la para enfrentar um ambiente competitivo no mercado de trabalho;
  •    propiciar uma formação humanística ao Engenheiro Químico, levando-o a refletir sobre as questões sociais, políticas e tecnológicas, em âmbito transnacional, estadual e local;
  •    contribuir com a sociedade brasileira, mais especificamente a sociedade espírito-santense, promovendo eventos culturais e científicos com os objetivos de difundir os conhecimentos e pesquisas realizadas pelo curso de Engenharia Química;
  •    atender à demanda por ensino superior voltados para a área tecnológica, face às iminentes necessidades do Estado e do Brasil, decorrentes do atual ciclo de desenvolvimento;
  •    contribuir com as empresas instaladas, e as que vierem a se instalar  no Estado, formando parcerias, a fim de desenvolver pesquisas e inovações tecnológicas  bem como transferir tecnologias nas áreas específicas de cada uma delas;
  •    promover uma aproximação das Faculdades com os poderes constituídos, quer sejam estadual ou municipal visando aplicar os conhecimentos, em projetos de extensão, com o objetivo de contribuir para a comunidade local para a solução de problemas relacionados ao contexto social e ambiental;
  •  desenvolver projetos em conjunto com o poder público, as organizações não governamentais e as entidades representativas de classe, visando contribuir com o desenvolvimento econômico e social da região, e criar parcerias com empresas privadas e públicas da região possibilitando o aproveitamento da mão-de-obra local.