Conheça os vencedores do Hack FAESA 4.0

As atividades começaram às 8 horas do sábado (28) e terminaram ao meio-dia de domingo (29). E, após 13 horas ininterruptas de programação, a equipe Cambit foi a grande vencedora da maratona de programação


Publicado em: 1 de novembro de 2017

A equipe vencedora Cambit

Depois de um final de semana de muito trabalho, ideias e programações chegou a hora de conhecer os grandes vencedores do HACKFAESA 4.0, a maratona de programação que aconteceu na FAESA Campus Vitória e que desafiou os participantes.

As atividades começaram às 8 horas do sábado (28) e terminaram ao meio-dia de domingo (29). E, após 13 horas ininterruptas de programação, a equipe Cambit foi a grande vencedora da maratona de programação, pelo segundo ano consecutivo. Clique AQUI e confira as fotos do evento.

Com o tema “Consumo Inteligente e redução da inadimplência”, a equipe desenvolveu um aplicativo que tem como principal objetivo a troca de serviços e produtos. Usuários previamente cadastrados e que tenham interesses em comum poderão se conectar para realizar a troca. Por exemplo, dois usuários, um que é pintor e precisa dos serviços de um mecânico, poderão trocar esses serviços dentro da plataforma, usando a Virtual Coin, moeda do aplicativo. A cada transação realizada, o usuário seria qualificado para que pudesse fazer novas negociações

Os desenvolvedores desse aplicativo foram: Esterfánia Santos (Tec. Análise e Des. de Sistemas), Jefferson Leutério (Ciência da Computação), Ricardo Delis (Jogos Digitais), Kelvin Machado (formado em Sistemas de Informação) e Keoma Klein.


“A vitória é uma consequência da dedicação da equipe. O crescimento que o HACKFAESA nos proporciona, já que precisamos entregar uma demanda com qualidade em pouco tempo, é basicamente o que nós vamos encontrar no nosso dia a dia profissional. Esse evento é o contato mais próximo que nós, enquanto alunos, teremos com os empresários que já estão há muito tempo no mercado. Hoje em dia é difícil fazer uma entrevista e ter contato com o seu empregador. Aqui ele está olhando no seu olho e falando aquilo que você precisa melhorar, provavelmente para te contratar. A importância de um evento como esse é de aproximar os alunos do mercado de trabalho”, explicou, Keoma Klein, aluno do curso de Ciência da Computação.

 

Outros dois grupos também foram premiados no HACKFAESA, conquistando a segunda e a terceira colocação: equipe Vias Inteligentes e equipe iPay, nesta ordem.

O coordenador da Unidade de Computação e Sistemas da FAESA, professor Rober Marcone Rosi, falou do crescimento da maratona desde a sua primeira edição e dos recordes que foram batidos neste 4º HACK.

“A organização do HACKFAESA é um trabalho que começa assim que termina a edição anterior. Nesta 4ª edição aprendemos bastante e quebramos vários recordes: de inscrições, de participação feminina, do número de patrocinadores e ainda tivemos uma fila de espera. Sobre as ideias, a gente percebe uma maturidade cada vez maior. As pessoas vão aprendendo nesse processo de como desenvolver uma ideia, como atacar um problema, como trabalhar em grupo, como apresentar para a banca”.

PREMIAÇÃO

Como prêmio a equipe vencedora, a Cambit, levou para casa R$ 1 mil, além de muita experiência que ajudará o grupo a concretizar o sonho de montar uma empresa.

Mais dois grupos também foram premiados no Hack FAESA. A segunda colocação foi conquistada pela equipe Vias Inteligentes e o terceiro lugar para equipe iPay.

MARATONA DE PROGRAMAÇÃO

Os hackathons (Maratona de Programação) surgiram como uma opção colaborativa para o desenvolvimento de aplicações de forma rápida. O termo surgiu da fusão das palavras “hack” (programar de forma excepcional) e “marathon” (maratona) para designar eventos que reúnem programadores, designers, consultores, clientes, especialistas em inovação, entre outros.

Na FAESA, o evento surgiu de uma iniciativa dos estudantes Celso Palmeira (Sistemas de Informação) e Karine Liuti (Ciência da Computação), que sempre gostaram de inovar e encontraram neste evento a oportunidade de fazer acontecer para todos os estudantes que querem fazer algo além da sala de aula.

 

DEPOIMENTOS

Oportunidade para outras pessoas

“O sucesso maior do HACKFAESA 4.0 é a sua caminhada. O primeiro foi uma prova de conceito, o segundo nós crescemos um pouco, no terceiro avançamos mais e hoje o HACK é conhecido pelos alunos. O interesse pela maratona de programação foi despertado aqui dentro. Os alunos procuram, querem participar. Daqui para frente a minha ideia e da Karine é trazer novas pessoas para organizar o evento e para revitalizar o que nós começamos. Trazendo ideias e um formato diferente, dando oportunidade para outras pessoas”.

Celso Palmeira, idealizador do HACKFAESA e aluno do curso de Sistemas de Informação da FAESA.

HACKFAESA é o protagonismo do aluno

“Hoje as empresas começaram a enxergar um novo modelo de seleção de talentos. As corporações estão deixando de lado aquele método tradicional de contratação, com aplicação de prova conhecimento, entrevista, psicotécnico e migrando para um modelo que vai ao encontro do perfil dos novos profissionais de hoje, que são empreendedores, que gostam de desafios. E o HACKFAESA é um evento que já está sendo usado por várias empresas para a seleção de talentos. Isso dá ao aluno a possibilidade de sair da sala de aula, daquele ambiente acadêmico, para já se preparar para as futuras seleções que irão encontrar no mercado.

Rober Marcone Rosi, Coordenador da Unidade de Computação e Sistemas FAESA.

 

Aproximação da academia com o mundo corporativo

“O HACKFAESA foi muito bacana, me surpreendeu. Nós participamos do evento desde a primeira edição, como patrocinadores, mas este ano as ideias estão bem bacanas, bem fora do quadrado. A realização de hackathons é uma realidade muito forte no Brasil e no exterior. Tem muitas empresas fazendo essas maratonas internas para promover a inovação, mas o grande lance do HACKFAESA é a aproximação do conhecimento produzido na academia com as demandas do mundo corporativo.”

Geovany Spalenza, Diretor de Tecnologia da INFLOR.

 

Texto e fotos: Nathália Esteves